A fé concreta: OS PEQUENOS GESTOS INVOCADOS PELO PAPA FRANCISCO PARA O NATAL

Fazer um pequeno gesto, um “compromisso concreto, mesmo pequeno”. Foi o pedido do Papa Francisco, no Angelus de 12 de dezembro, ao sugerir como nos prepararmos da melhor maneira para o nascimento do Salvador. Um telefonema para uma pessoa solitária, uma visita a um idoso ou doente, uma oração, pedir ou perdoar alguém, pagar uma dívida, ajudar uma pessoa pobre. Em suma, é uma fé que se torna tangível, permitindo-nos acolher plenamente o Menino Jesus. Seguem alguns exemplos.

Em Elvas, Portugal, já é noite quando Ir. Fátima Magalhães, religiosa da Companhia de Santa Teresa de Jesus, sai para ajudar os muitos sem-teto que se refugiam na entrada de algum edifício, debaixo de uma árvore ou em um banco. Ela está acompanhada por muitos voluntários que trazem uma refeição quente para os necessitados. Este é o projeto social “Passos à noite”, apoiado pela diocese local, especialmente durante o período de Natal.

Ir ao encontro do próximo com o amor de Jesus

Não faltam exemplos de “fé concreta” no mundo: a própria Irmã Fátima coordena vários projetos sociais, além de “Passos à noite”. Em 24 de dezembro, por exemplo, ela administrará duas entregas de presentes especiais: uma na prisão, para os filhos dos presos, e outra nos centros de acolhida, para as crianças. “Vou ao encontro do próximo com o mesmo amor com que na noite de Natal acolhemos Jesus”, destaca a religiosa, “se não for feito com esse espírito, não vale a pena”.

Combater a solidão dos idosos

Na Alemanha, por outro lado, os católicos podem aderir à campanha #daisperanzaora, que visa combater o flagelo da solidão: “Segundo um estudo da Comissão Europeia”, lê-se no site da Conferência Episcopal Alemã, “os sentimentos de solidão das pessoas aumentaram em toda a Europa durante a pandemia da Covid-19”. Para combater este flagelo, que se agrava durante o período natalino, a Igreja local lançou uma série de iniciativas, entre as quais a YoungCaritas, a plataforma das associações da Cáritas para o compromisso social dos jovens: dirigida especialmente aos jovens, o projeto os convida a escrever uma carta, um poema, uma história a ser enviada – também em formato eletrônico – para uma pessoa idosa que vive em um lar de idosos. Para os idosos “é reconfortante saber que eles não foram esquecidos”, diz o site, e eles ficarão felizes em “participar um pouco, indiretamente, da vida cotidiana dos jovens”, descrita em suas cartas.

Solidariedade que transborda

No Brasil “pequenos gestos concretos” podem ser realizados graças a numerosas iniciativas das agências nacionais da Cáritas: recentemente, o país foi flagelado por uma série de enchentes que destruíram regiões inteiras. As Estados mais afetados foram a Bahia e Minas Gerais, onde há cerca de 70 municípios em estado de emergência e mais de 70.000 pessoas que sofreram danos de várias maneiras por causa das chuvas. Houve numerosas vítimas e quase 20.000 pessoas deslocadas. Por esta razão, a Caritas e a Conferência Nacional dos Bispos lançaram a campanha “#SOS Bahia e Minas Gerais: solidariedade que transborda”, que visa a arrecadação de fundos para a compra de alimentos, água potável e gêneros de primeira necessidade para a população, incluindo dispositivos de proteção anti-covid, pois a emergência pandêmica no país ainda é grave.

Disposição para a escuta

Por fim, na China, o caminho dos católicos rumo ao Natal se intensificou nas últimas semanas através de obras de caridade concretas. Como informou a agência Fides, em 3 de dezembro, na festa de São Francisco Xavier, Patrono da missão na China, o grupo de caridade da paróquia de Aozhen, na cidade de Ordos, na Mongólia Interior, dirigido pelo Pe. Qiqigeli, de origem mongol, e as irmãs, apesar das temperaturas abaixo de zero, visitaram a casa de repouso do condado. Além dos presentes de Natal, os idosos receberam o amor do Senhor, através de cuidados médicos, assistência e disposição para a escuta, demonstrados pelos paroquianos. O mesmo acontece em Xangai onde, durante este período, a comunidade da Igreja de base de Yongnian se mobilizou para ajudar as famílias em dificuldade, para doar sangue e para visitar os idosos e os doentes. Os fiéis também apoiaram financeiramente a construção do bispado, o centro de treinamento diocesano, o orfanato e a restauração de igrejas em várias dioceses.

FONTE: CNBB