Oração: ser com

A oração é uma das realidades importantes do viver cristão, sobretudo quando destacamos o caráter pessoal da nossa fé. O cristianismo, antes de ser uma mensagem e implicar em normas e costumes, é uma Pessoa. É Jesus Cristo, o Filho de Deus Pai, que foi concebido pela Virgem Maria, por obra do Espírito Santo. A oração é, assim, o espaço privilegiado para estabelecer com Deus um relacionamento interpessoal.

Por isso, sempre gostei de definir a oração como um “estar com”, um “permanecer com o Senhor”. Rezamos, não simplesmente para fazer pedidos e súplicas a Deus, mas, antes de tudo, para viver a nossa condição de filhos, procurando estar com o Senhor. Rezamos para nos tornarmos íntimos de Deus e conhecê-Lo com mais profundidade.

No relacionamento interpessoal, só nos conhecemos na medida em que damos tempo um ao outro. A oração é um momento no qual damos tempo a Deus, para viver uma comunhão afetiva, saboreando a docilidade de Sua presença. Através da oração, alcançamos um conhecimento “saboroso” de Deus, que vai além do plano informativo. Realmente, nesse espaço de colóquio íntimo, Ele se torna verdadeiramente um TU em nossa vida, do qual podemos falar com propriedade, como falamos de um amigo.

Contudo, gostaria de destacar um aspecto enfocado pelo Papa Bento XVI em uma de suas reflexões. Ele falou da oração como um momento para “ser com” Deus. Lembrando o provérbio popular: “dize-me com quem tu andas e eu direi quem tu és”, podemos afirmar que somos os relacionamentos que mantemos. Eles nos influenciam, nos configuram. Seremos um com Deus, na medida em que estivermos com Ele. Divinizaremo-nos na proporção em que permanecermos com o Senhor, na medida em que orarmos.

Através da oração, vamos fazendo acontecer aquela “metanoia” que o evangelho nos convida a realizar em nossa vida. A modificação da nossa maneira de conceber e ver as coisas vai se dando através da sintonia amante com Deus na oração. Vamos, assim, nos tornando um com o Senhor. O discípulo é, na verdade, alguém que vai assumindo a forma de pensar de seu Senhor. Sendo assim, podemos afirmar que a oração forma os discípulos de Jesus.

Quão importante é SER nessa sociedade fragmentada e líquida dos dias atuais. Tudo se torna inconsistente, carecendo de verdadeira fundamentação. No mundo da aparência, da imagem e do espetáculo, as coisas tornam-se enganadoras porque, sobretudo, parecem ser, mas não são.

Só conseguiremos impactar e impregnar de Deus o mundo, quando realmente Ele tomar carne em nós, tornando-nos, assim, lugar do Seu encontro. Como discípulos missionários, queremos atrair pela força de uma presença em nós, que se torna um conosco, porque somos um com Ela através da oração.

Padre Pedro Junior