Cristo Rei do Universo

No 34° Domingo do Tempo Comum, celebramos a festa de Cristo Rei do Universo. É o último domingo do ano litúrgico. Por este se entende a celebração da Igreja, num ciclo de tempo, dos diversos mistérios da vida de Jesus. A exemplo dos judeus, que celebravam os diversos benefícios de Deus em favor do povo, a Igreja “distribuiu através de um ano as principais ações salvíficas ou mistérios de Cristo, para vivê-los, imitando ou comemorando o que Cristo fez pelos homens”.

O fato do último domingo do ano litúrgico ser celebrado com a festa de Cristo Rei tem um valor fortemente indicativo para a vida cristã. Cristo é o alfa e o ômega, princípio e fim, para Ele se orientam todas as coisas, todos os seres e todo o universo. Nele a humanidade encontra o sentido e a meta de sua caminhada.

A busca de estabelecer o seu reinado constitui o sentido do viver e agir cristão. Mas em que consiste esse reino?  O fato de que nos sejam apresentados os últimos momentos da vida Cristo na cruz, na liturgia desse domingo, é muito significativo. Com isso, a Igreja nos quer indicar que o reinado de Jesus não se confunde com o desse mundo. A sua realeza consiste em fazer-se dom de si mesmo pelos irmãos. Jesus não cedeu à tentação de “salvar-se a si mesmo”, de viver para si, fechado em si mesmo, mas como rei-esposo, Ele se entrega por inteiro pela esposa, a Igreja, a humanidade inteira num gesto pelo qual é dita, a todo homem, a única palavra de Deus para ele: amor.

Vence a realeza que serve.  Este é o verdadeiro domínio de Deus, a sua glória se manifesta no amor que se coloca a serviço. Este amor se exprime sobretudo como misericórdia. A onipotência de Deus se manifesta, então, não pela força, mas através da misericórdia que tudo perdoa e não cede ao ódio, à vingança.

Conforme o apóstolo Paulo, a vida cristã é essencialmente viver em Cristo. Professar Cristo como rei é procurar estar sob o seu senhorio, numa busca constante de viver conforme os seus ensinamentos. Trata-se, na verdade, de não aceitar as sugestões do maligno que quer conduzir-nos a viver centrados em nós mesmos.

Viver como seguidores do Rei Jesus é fazer valer aquilo que o sacerdote proclama ao final da oração eucarística: Por Cristo, com Cristo em Cristo. Por Cristo, pois Ele é o caminho, com Cristo porque Ele se faz peregrino conosco e em Cristo porque estamos profundamente associados a Ele pelo batismo e a Eucaristia.

Proclamar Cristo Rei é empenhar-se por aquilo que constituiu a razão de ser de sua vida: o Reino de Deus. Esta proclamação é feita, sobretudo, com o testemunho e com a certeza de que este Reino tem início aqui e terá sua plenitude na eternidade. Na certeza da vitória, e do retorno triunfal de Jesus, quando ele entregará ao Pai um reino eterno e universal. Assim, com exultação e festa, proclamamos: Cristo Vive! Cristo Reina! Cristo Impera!

Pe. Pedro Moraes Brito Júnior